Testemunhos Cycle Chic (VII)

Os contributos continuam a chegar à nossa caixa do correio, e desta vez veio um do outro lado do Tejo.

O meu nome é Ana, tenho 28 anos e moro no Barreiro. Só aprendi a andar de bicicleta com 21 anos e foi através de muita força de vontade e alguns amigos pacientes. Neste momento utilizo a minha bicicleta no dia-a-dia, para me movimentar na cidade onde moro e também na deslocação para a minha escola, em Lisboa. O percurso é suave, demoro praticamente metade do tempo já para não falar na comodidade de não ter de esperar pelos transportes. 🙂
Transporto a bicicleta no barco, gratuitamente.

A minha bicicleta foi comprada em segunda mão, mas praticamente nova, em Junho deste ano. É uma Orbita Strada, com quadro de senhora, que era cinzenta e que eu pintei de cor de rosa suave. O cestinho também era de metal e eu customizei-o à minha vontade. Agora as senhoras idosas que passam por mim na rua batem-me palmas, é giro…

Faço percursos suaves, infelizmente não tenho muita resistência física e certas subidas são impraticáveis, pelo menos para já. Quando recomecei a andar, em Junho, estava muito receosa, mas hoje em dia já consigo pedalar em relativa paz no meio do trânsito. Sinto que o facto de ser rapariga também ajuda, os condutores são mais cautelosos.
Para facilitar na questão das subidas, espero em breve ‘quitar’ a minha bicla com um kit eléctrico. Participei há um mês numa demonstração de bicicletas eléctricas e, embora desconfiasse de início, percebi que é uma grande mais-valia na questão do conforto. Não sou fundamentalista nestas questões e acho que, se alguma coisa potencia o conforto e me permite não pensar nos percursos, é uma coisa boa. Acabaria também a utilizar muito mais a bicicleta, não tendo o transtorno de antecipar caminhos e situações de ter de transportar carga mais pesada.

Na questão do vestuário, concordo com a filosofia Cycle Chic: não é necessário andar de lycra e com camisolas amarelas para se andar de bicicleta num esquema diário. Aliás, nos países que têm fortes tradições de bicicletas, é costume verem-se os executivos de fato a deslocarem-se normalmente. Por isso, se funciona para eles…
Eu visto-me normalmente e até acho mais prático andar de saltos altos na bicicleta porque, surpreendentemente, ajuda a prender melhor o pedal. Para além de que não esforço tanto os pés a andar. 😉

Quero felicitar-vos pelo blog e pelo movimento! É uma grande iniciativa e uma maneira engraçada de se mudar a consciência das pessoas e também o estereótipo do ciclista.

Obrigada e até breve! 😉

Além deste testemunho, a Ana juntou ainda 3 belas fotografias. Fantásticas mesmo:

Obrigado Ana!

Quanto aos nossos estimados leitores, fico à espera dos vossos testemunhos… já viram que é fácil fazer, além de ser inspirador para os outros!

6 Respostas a “Testemunhos Cycle Chic (VII)

  1. Sérgio diz:

    Parabéns Ana (e Miguel) por este belo testemunho 🙂

  2. Maria Ana diz:

    Gostei do testemunho e que gira que é a Ana e a sua bicicleta 🙂

  3. paulofski diz:

    Testemunho muito motivador. Parabéns Ana.

  4. Obrigada a todos. 🙂
    Fico muito contente com o feedback e com a possibilidade de dar o meu testemunho. Pode ser que encoraje mais pessoas que, tal como eu há pouco tempo também tinha, tenham algum receio de utilizar a bicla no dia-a-dia, no meio do trânsito.

    Continuem, boa sorte! 😉

  5. Vespinha diz:

    Está linda, a bicicleta da Ana!

  6. José Pinto diz:

    Olá a todos.
    Belo testemunho, e espero que cada vez mais nós portugueses aprendamos a olhar para a bicicleta como um grande aliado nosso. O cão é o melhor amigo do homem e eu pessoalmente acredito que a bicicleta é o segundo melhor amigo do homem, isto porque quem anda de bicicleta beneficia-se em enúmeros factores, desde custos, meio ambiente, ruido e acima de tudo previne-se de montes de problemas de saude.

Deixar uma resposta