TESTEMUNHOS CYCLE CHIC (XIII)

Fiquei a conhecer “virtualmente” a Ana há uns tempos, quando um amigo em comum nos colocou em contacto para lhe dar a minha opinião sobre a Xtracycle. Ela estava à procura de uma solução para pedalar com os filhos. Entretanto, no mural de uma outra amiga em comum (o mundo é mesmo pequeno), encontrei este testemunho já antigo da Ana e pedi-lhe se o queria partilhar connosco neste espaço. Aqui fica:

Carta escrita a uma mãe, trabalhadora e doméstica, assoberbada com o seu quotidiano, que acreditava que o uso diário da bicicleta se destinava apenas às pessoas independentes e descomprometidas…

PB

“Olá Maria Margarida! Como eu a entendo… :-) Lá em casa somos 3: eu e os meus gémeos de 7 anos. Estaria um dia inteiro a falar-lhe das maravilhas e benefícios de andar diariamente de bicicleta, mas não é essa a sua questão. Eu não sou fundamentalista de nada e não tenho dúvidas de que nem todas as pessoas têm uma vida diária que lhes permita utilizar a bicicleta como meio de transporte principal. Vou apenas dar-lhe o meu exemplo e algumas sugestões, que espero que sirvam para muitas outras mulheres. Com ou sem bicicleta, a nossa vida é sempre uma loucura e uma corrida contra o relógio. A diferença é que a bicicleta torna o nosso dia muito mais feliz e isso tem repercussões em tudo o que nos rodeia. Fiz esta mudança há 2 anos. Tudo me parecia impossível e até hoje continuo a aprender e a adaptar-me. Nem sequer o fiz por questões ecológicas e altruístas, mas sim porque o passe tornou-se num bem de luxo… Acho que a solução que encontrei é a que se adapta à maioria das mães de hoje: arranjei uma bicicleta dobrável que está sempre na bagageira do carro. Depois de deixar os miúdos na escola, deixava o carro estacionado às portas de Lisboa (onde não se pagasse) e seguia de bicicleta para o Chiado. Como o percurso não era muito longo e tinha sítio para trocar de roupa, fazia isto quer chovesse quer não. Este ano, com um Inverno tão chuvoso e um percurso bem mais longo para fazer, tive que recorrer mais vezes à Carris… Depois mudei de emprego para o Restelo, bem lá no alto! Primeiro pensamento: Impossível!! Mas resolvi tentar e, 17km e 1h depois, quase sem fôlego para falar, só pensava: Consegui!! :-) É verdade que (infelizmente) estava a trabalhar em horário reduzido mas, o que lhe quero transmitir é que cada caso é diferente e só a Maria é que pode saber como contornar os seus obstáculos. Na hora de almoço aproveito para ir ao supermercado e comprar apenas o que faz mesmo falta e cabe nos alforges. Voltei a mudar de local de trabalho e agora vou directamente da Portela para o Saldanha. Deparei-me com novos entraves: muitas subidas e ter de circular em estrada. Nunca ir para o trabalho foi tão excitante como agora! :-) Se nalgum dia tenho de, por exº, levar os miúdos ao médico, deixo o carro a meio caminho e faço o resto na dobrável. Actualmente, estou a tratar de adquirir novos acessórios para, no próximo ano lectivo, irmos os 3 de bicicleta até à escola. Há uns meses também achava impossível… Levo muito tempo a estudar quais as melhores opções, os custos, a segurança, mas tenho a certeza que este é o melhor investimento que eu posso fazer na minha vida familiar. Como super-mães que somos, temos que ter sempre uma grande capacidade de adaptação às mudanças e imprevistos. Talvez a Maria não possa usar a bicicleta todos os dias, em todas as circunstâncias, mas garanto-lhe que se começar a dar pequenos passos, depressa vai querer adaptar a sua vida à bicicleta, em vez do contrário. :-) O stress diário e algumas frustrações vão sempre existir, mas a bicicleta fez de mim uma melhor mãe e os meus filhos agradecem :-) (esta parece saída de um anúncio de detergentes!).  As pessoas independentes e descomprometidas têm uma vida muito mais facilitada, mas não têm a motivação e a força que os filhos nos dão. Eu que nem gostava muito de andar de bicicleta… ”

O mais importante foi a resposta da Maria Margarida: mudara a sua perspectiva em relação ao uso da bicicleta e sentia-se motivada a dar as primeiras pedaladas :-)

 

Depois deste testemunho, já encontrou solução para levar os filhos à escola: comprou um FollowMeTandem, que permite que um dos gémeos vá a pedalar. O outro vai num assento especialmente adaptado ao suporte de carga da bicicleta.

Soluções há muitas… haja vontade! Quanto à Maria Margarida, acho que todos nós gostaríamos de ver o testemunho dela um dia aqui no blogue. 😉

A nova ponte

Inaugurada no sábado passado, tive a oportunidade de passar por lá ainda na outra semana e registar o que vi nestas fotografias:

DSC_1886 DSC_1885

DSC_1887 DSC_1891

DSC_1892 DSC_1895

DSC_1896 DSC_1904

DSC_1912

Demorou, mas finalmente estes dois bairros passam a estar ligados de uma forma rápida e segura, ultrapassando este rasgo no tecido urbano da cidade – as opções actuais obrigavam a percursos bem mais longos, e alguns deles bastante perigosos (a passagem da Estrada da Luz por baixo da 2ª circular é deveras crítica, principalmente no sentido SE-NO).

DSC_1930 DSC_1911

DSC_1938

DSC_1940 DSC_1947

Tanto se fala das pontes que são feitas noutras paragens… mas esta agora bem que pode dar que falar!

EDIT: acrescento aqui uma imagem com o traçado da ponte (fonte: Adão da Fonseca, Engenheiros Consultores)

01[1]